celu 253x300 - FINA BATUCADA

Fina Batucada

“O lugar onde se gera amor”

BATUCADA - FINA BATUCADA

APRESENTAÇÃO MOTIVACIONAL

Quando os primeiros toques do tamborim se juntam com o ronco da cuíca o coração das mulheres da Fina Batucada já começa a saltar. É a união dos instrumentos de percussão junto da força delas que dá o tom para esse encontro virar samba.

Foi há 20 anos, por iniciativa do mestre Riko, que nasceu o grupo hoje apresentado como a família Fina Batucada, a primeira bateria formada por mulheres e também a pioneira a tocar no Sambódromo do Rio de Janeiro.

O grupo hoje realiza apresentações sobre a participação da mulher no universo musical, resistência e empoderamento.

Trajetória

Mas antes de chegar ao sucesso e reconhecimento que tem hoje, a Fina Batucada precisou atravessar um caminho de preconceito. De acordo com Mestre Riko, até a década de 1990, as baterias de escolas de samba eram formadas majoritariamente por homens.

Foi aí que ele decidiu reunir alunas da Escola de Música Villa-Lobo, apresentar todos os instrumentos de percussão e dar à elas a oportunidade de mostrar todo talento. Criou assim, no dia 12 de outubro de 1998, a percussão feminina: Fina Batucada.

O grupo ganhou em 2002 o prêmio de melhor bateria de Escola de Samba, Grupo Mirim, concedido pela Liga das Escolas Mirins e no ano seguinte, o Estandarte de Ouro do Jornal O Globo. O reconhecimento levou o então prefeito do Rio de Janeiro a convidar a bateria para abrir o desfile das Escolas de Samba Campeãs do Carnaval daquele ano.

Fechar Menu